top of page
  • Immagine del redattoreBentes

Livro das moedas Edição comemorativa

Livro Bentes das Moedas Brasileiras - Bicentenário da Independência do Brasil.

“...O imperador do Brasil não era um príncipe ordinário. A Providência lhe fez um poderoso instrumento da libertação, tanto no Brasil como em Portugal. Se nós, brasileiros, existimos como um corpo em uma Nação livre, se nossa terra não foi rasgada em pequenas repúblicas inimigas, onde apenas anarquia e espírito militar prevalecem, nós devemos muito à resolução que ele tomou em ficar entre nós, em realizar o primeiro grito por nossa independência...”

Evaristo Ferreira da Veiga e Barros


ublicação didático-descritiva de todas as moedas brasileiras, abrangendo todos os períodos históricos do Brasil, desde os primeiros anos do Descobrimento até aos dias atuais, incluindo as eras pré-Colonial e Colonial, seguidas pelas emissões do Reino Unido, Primeiro Império, Segundo Império e República.

Contém todas as moedas metálicas que circularam no território nacional, dispostas por nobreza de metal, em ordem de grandeza decrescente dos valores e cronológica dos Reinos e seus respectivos soberanos e governantes.

Primoroso e detalhista nas descrições de todos os espécimens, incluindo todas as barras de ouro conhecidas, o nosso Livro Bentes de Moedas do Brasil deleita o leitor com informações adicionais, algo jamais realizado por outras publicações do gênero, no país.

Artistas, gravadores, incisores; pesos, diâmetros, espessura, todas as Casas da Moeda que contam com breve relato histórico, tudo tratado com muito profissionalismo e requinte na apresentação em primorosa encadernação, rivalizando com as melhores publicações do gênero, editadas nos EUA e na Europa.

Repleto de imagens em cores, em alta resolução de todos os exemplares, inclusive daqueles até hoje desconhecidos pelo público em geral e hoje plenamente identificados graças à nossa equipe de pesquisadores e colaboradores, o nosso Livro Bentes de Moedas do Brasil valoriza a cultura do nosso país, da nossa história e da economia. Em suas mais de 880 páginas em cores, luxuosamente encadernadas em brochura costurada com fio reffe, contamos a história de um Brasil desconhecido da maioria, como demonstraremos no exemplo a seguir, através de uma pequena amostra da excelência do trabalho realizado por nossa editora.


O GUIA OFICIAL DAS MOEDAS BRASILEIRAS Muitos nos perguntam "por que guia oficial?" A partir da terceira edição, o Livro Bentes de Moedas do Brasil passou a ser a fonte oficial de consulta de universidades e autarquias, a exemplo do Museu de Valores do Banco Central do Brasil, a Casa da Moeda, o Museu Histórico Nacional, bibliotecas, universidades e casas de leilões, no Brasil e diversas instituições públicas ou privadas, no exterior, a exemplo das prestigiosas empresas numismáticas, Heritage, Stack's Bowers Galleries, NGS, PCGS, Aureo & Calicó, bancos e universidades. A dedicação, o cuidado em inovar, aprimorar, atualizar, corrigir e ampliar a publicação (o que já foi realizado na oitava edição, comemorativa dos 200 anos da proclamação da Independência), fizeram do Livro Bentes de Moedas do Brasil, fonte fidedigna de informação, sendo o escolhido por estas prestigiosas instituições como fonte de consulta e guia na catalogação de seus acervos.


POR QUE COMPRAR O CATÁLOGO BENTES DE MOEDAS DO BRASIL?

Com relação aos catálogos de numismática existentes no mercado, como escolher um que atenda às exigências do colecionador e que se constitua num investimento que dê ao numismata e/ou comerciante, condições reais e necessárias para uma boa e segura compra ou venda?

Para responder a esta pergunta, o numismata, inciante ou avançado, primeiramente deve estar atento às respostas dadas a outros questionamentos que possam, se não exaurir o assunto, pelo menos nos dar a certeza de que aquilo que pagamos, ao adquirir um catálogo, se demonstre como tendo sido um bom investimento, seguro, que nos dê o retorno desejado. Dessa forma, a melhor maneira de responder à pergunta inicial, seria esgotar outras questões relevantes, como as que se seguem:


1. O que é um catálogo?

Resp: Por definição, é uma lista ou relação periódica e metódica de coisas (objetos ou pessoas) com breve informação a seu respeito, resumida, mas suficiente para dar uma noção dos aspectos relevantes que as caracterizam.


2. O que se espera de um catálogo de numismática?

Resp: Para se responder a esta pergunta, devemos levar em conta diversas variáveis. A primeira delas diz respeito ao enorme número de peças falsificadas, derramadas no mercado ultimamente, por pessoas mal intencionadas ou outras que não conhecem minimamente o assunto e fazem do colecionismo de moedas apenas uma espécie de “bico”, para aumentar a renda caseira.

Seja como for, quem compra, ou quem vende, deve ter em mãos as informações necessárias que lhe dê a devida garantia de não estar sendo enganado ou de não estar enganando, por falta de conhecimento. Para tanto, ao consultar um catálogo, além do preço do exemplar, obviamente, o comprador (principalmente) deve estar em condições de saber que não está comprando “gato por lebre”. Informações como espessura, bordo (liso ou serrilhado), legenda de anverso e de reverso, reverso invertido, reverso a 90 graus, tipo de coroa (larga, estreita, pequena, média ou grande, 4 arcos, 5 arcos, com ou sem pedículos, etc) e, principalmente peso e diâmetro que na maioria dos casos são determinantes para diferenciar um falso de um autêntico, são essenciais para que o comprador não seja enganado.

A seguir, um exemplo de como são dispostos os exemplares nas páginas do Catálogo Bentes de Moedas do Brasil. Informações como peso, diâmetro, reverso, legendas, tipo de bordo, se liso ou serrilhado, são algumas das informações essenciais a identificar uma moeda, e saber quando se trata de um falso. Estas informações só existem, atualmente, no Catálogo Bentes de Moedas do Brasil.

3. Agora tente imaginar a seguinte situação: Você encontrou várias moedas ou cédulas, no baú fechado do seu avô, ou enterradas no fundo do quintal, com a ajuda de um metal detector?

Resp: Primeiramente, é necessário esclarecer que isso acontece, e não por poucas vezes. Quem é do ramo, conhece a história de como encontraram o 960 Réis 1809R, no meio de outras moedas, guardadas dentro de uma latinha, compradas por Alcides de Castro Santos, ou da barra de ouro do Império, encontrada por um menino, enterrada no quintal da sua casa no bairro do Grajaú, no Rio de Janeiro ou a história de um comerciante que encontrou mais de 30 moedas de 960 Réis 1832R, todas for de cunho, num cofre abandonado na casa que comprou. Para saber mais sobre essas histórias, aguarde a nossa futura publicação, a ser lançada ainda este ano, intitulada "Contos de Réis", de autoria de um dos diretores da Bentes.

Voltando à pergunta, o que você faria se encontrasse um lote de moedas que não conhece? Levaria em alguma numismática, para ouvir do comerciante que todo lote vale 500 reais, quando na verdade pode valer 20 ou 30 vezes mais?


4. E se a moeda que você encontrou for do tipo comum, mas com uma variante muito rara, que pode ser vendida pelo preço de um automóvel? Você não vai saber nunca, se consultar apenas as listas de preços que são vendidas no país. Precisa de um catálogo completo, que explique e mostre detalhadamente, com imagens, a diferença que pode significar muitos milhares de Reais no seu bolso. Nos Catálogos da Bentes, por exemplo, você encontra esses pormenores. É esse um dos motivos que tem irritado alguns comerciantes, acostumados a comprar moedas muito raras, a preço muito baixo. Antes dos Catálogos Bentes, ficava fácil pagar R$100,00 reais, por exemplo, numa moeda de “960 RÉIS com a legenda de reverso alternada”. Essa moeda vale muito, mas pouca gente sabe como identificá-la. No Catálogo Bentes de Moedas do Brasil, a explicação detalhada do que seja a “legenda alternada” está lá. Isso tem irritado tanta gente que chegam a entrar no nosso blog e no Mercado Livre, nos xingado e falando mal das nossas publicações. É óbvio, pois a facilidade de comprar raridades, a preço muito baixo, está chegando ao fim. Um comerciante, bastanet irritado, chegou a nos confidenciar em um Congresso: "Vocês prestaram um desserviço ao negócio de moedas, dando instrução para ignorantes".

E a coisa não parou por aí: Alguns bem mais aborrecidos, iniciaram uma cruzada contra os nossos catálogos, justamente porque mostramos aquilo que sempre escondiam (é notório que, no Brasil, os que possuem informações sobre as moedas, se omitem ou se negam a passar aos iniciantes, aquilo que faz a diferença) e que lhes permitia ganhar pequenas fortunas com a numismática. A confusão começou já com a primeira edição do catálogo, quando fomos interpelados por um ex-diretor de prestigiosa Sociedade, porque não incluímos no nosso catálogo, as obsidionais de prata de X, XX, XXX e XXXX soldos.

A nossa resposta foi óbvia: Porque são falsas! Foram falsificadas, incialmente, na Bélgica, no século XIX e, continuadas no Rio de Janeiro, em 1937, fabricadas por um ourives espanhol, naturalizado, que tinha uma ourivesaria no número 8 da rua Sachet (atual Travessa do Ouvidor, onde hoje está instalada uma loja chamada Uncle K), no Rio de Janeiro.

A partir de então, não tivemos mais sossego! A coisa se agravou quando 3 comerciantes compraram uma grande quantidade de nossos catálogos e passaram a vendê-los, numa espécie de liquidação e por um preço menor do que haviam nos pagado (absurdo, não?... mas é verdade). Tudo na inútil tentativa de desmotivar o colecionador e queimar nossa publicação.


5. Um outro motivo: Com o nosso catálogo demos um basta na condenável conduta de cotar as peças de acordo com o estoque dos comerciantes. O que isso significa? Durante décadas, consolidou-se entre os comerciantes, uma forma simples de se ganhar muito dinheiro com a numismática: Cotar a preço baixo o que é raro e elevar os preços das moedas comuns que possuem em grande quantidade, estocadas. Um exemplo: O "X réis" da Casa da Moeda de Lisboa, data 1805, com coroa alta e colar de 35 pérolas. Apesar de única, essa moeda aparece em quase todos os catálogos brasileiros, cotada como moeda comum (veja, a seguir, a foto de um exemplar com a data 1803, comum).


D. João P.R., sistema cúprico - Casa da Moeda de Lisboa, sem letra monetária, X réis 1803, coroa alta, perolagem variável entre 37 e 40 pérolas no colar, moeda relativamente comum.


A sua "irmã" (acima), com a data 1805 e mesmas características, a exceção do colar que conta com 35 pérolas, é moeda R5, da mais alta raridade, provavelmente única, mas cotada como moeda comum em praticamenet todos os catálogod de moedas do Brasil.

Talvez, por esse motivo, gora você esteja entendendo porque não temos muitos comerciantes anunciando em nosso catálogo e, ainda, alguns difamando nossas publicações. Não é do interesse deles que as pessoas conheçam pormenores das moedas e nem o seu preço justo.


960 RÉIS com a legenda de reverso alternada. Essa moeda é bastante rara, mas poucos sabem como identificá-la. No Catálogo Bentes de Moedas do Brasil, a explicação detalhada do que seja a “legenda alternada” pode ser vista acima, como se apresenta em nosso catálogo.

Pergunta: E se o seu patacão, aparentemente comum, data 1815 do Rio de Janeiro, foi cunhado sobre moeda de prata americana? Você saberia como identificar ou, pelo menos, saberia que isso existe e que a diferença entre um patacão recunhado sobre um comum 8 reales e outro recunhado sobre base rara, pode significar uma diferença de milhares de dólares? Pois bem! Um comerciante de São Paulo, em viagem de lua de mel com a esposa, encontrou numa pequena loja na França, uma moeda assim, cunhada sobre dollar de prata americano. Pagou 50 euros por ela e hoje não a vende por menos de U$ 35.000,00 (trinta e cinco mil dólares). Essa é uma das diferenças que distingue o Livro Bentes das Moedas do Brasil das outras publicações.



CONSULTANDO A 8ª EDIÇÃO DO LIVRO DE MOEDAS

Por razões didáticas, obviamente, resolvemos adotar a ordem decrescente dos valores cunhados, obedecendo a cronologia dos soberanos, ao invés da simples subdivisão por metais. As primeiras 60 páginas dizem respeito à introdução, um pouco de história e à nomenclatura das moedas, de forma clara e abrangente, passando ao leitor tudo o que é necessário ao entendimento do assunto, como veremos a seguir:


Apresentações — Considerações iniciais — Nomenclatura

Das primeiras de um total de 912 páginas do Livro Bentes de Moedas do Brasil, constam: comunicados ao leitor, índice, introdução à Numismática, a Numismática no Brasil, as primeiras moedas cunhadas pelos holandeses, com o nome BRASIL, as moedas dos primeiros brasileiros, a Provisão de 3 de Março de 1568, a Provisão rumo ao Brasil, patacas, a instalação da Casa da Moeda no Brasil, o fechamento da primeira Casa da Moeda, hobby ou investimento, como colecionar moedas, como limpar moedas, como conservar moedas, padrões monetários irregulares, como consultar o Livro Bentes de Moedas do Brasil, os estados de conservação, a Escala de Sheldon, raridade, valores dos exemplares, diâmetro e peso, classes de cunho, critérios na hora da escolha, moedas e variantes clássicas, nomenclatura das moedas de prata da Colônia, nomenclatura das moedas, seus símbolos e significados, as partes de uma moeda, nomenclatura dos 960 Réis, eixos, reverso medalha, reverso moeda, reverso invertido.


O conteúdo

Primoroso, único entre todas as publicações da numismática brasileira, de todos os tempos. Privilegiando a abordagem didática, tudo foi realizado a fim de evitar que o Livro Bentes de Moedas Brasileiras se configurasse, unicamente, numa fonte de consulta (lista) de preços. Lidando principalmente com a arte de colecionar moedas, entendemos que seja nosso compromisso, acima de tudo, instruir quem inicia, e auxiliar na consulta de quem já é conhecedor da matéria. Dessa forma, foi elaborado com o propósito de passar ao leitor o necessário entendimento do assunto, fornecendo também um parâmetro de valores para orientá-lo na hora de adquirir novos exemplares para o seu acervo. Haja vista ser a numismática brasileira bastante complexa sob vários aspectos, entendemos que esta seria a forma correta e abrangente de catalogação das moedas.

Todas as informações necessárias à catalogação e comercialização das moedas do Brasil colonial, imperial e republicano — tais como o peso, diâmetro, quantidade de moedas cunhadas, grau de raridade, estados de conservação e os valores atualizados, referentes aos diversos tipos — são tratados com a seriedade e o rigor que o assunto merece, como se pode ver na imagem a seguir que mostra como são apresentadas as moedas ao interno do nosso Livro Bentes de Moedas do Brasil.

Obedecendo a ordem cronológica dos soberanos, apresentamos as moedas de acordo com a nobreza dos metais: ouro, prata e cobre, durante os períodos que antecedem a República. Assim, nas páginas iniciais do catálogo propriamente dito, as moedas são dispostas, primeiro levando em conta o soberano, para em seguida dispor as moedas em ordem decrescente de valor facial, partindo das moedas de ouro, em seguida as de prata, finalizando com as cunhagens do sistema cúprico.

Exemplo: Digamos que o leitor queira consultar a valoração de uma moeda de ouro, de 12$800 Réis de D. João V, cunhada na Casa da Moeda do Rio de Janeiro, com o primeiro tipo de escudo (oval). Para tanto, basta ir diretamente na parte dedicada a D. João V, que inicia na página 187 da 8ª edição (2021-2022), para logo em seguida encontrar as moedas cunhadas por este soberano, inciando pelas cunhagens de ouro. Folheando as páginas, o leitor irá constatar, sem dificuldades, que as moedas de 12$800 Réis iniciam na página 187, com as cunhagens da Bahia, e logo em seguida, as do Rio de Janeiro (ver imagem a seguir):

CONTEÚDO DIDÁTICO E ABRANGENTE

Como esclarecido anteriormente, o Livro Bentes de Moedas do Brasil traz uma abordagem didática a respeito das moedas que circularam no território brasileiro, desde o seu descobrimento, passando pelas cunhagens propriamente ditas, a partir da criação da primeira Casa da Moeda, na Bahia. Dessa forma, tanto o numismata iniciante quanto o avançado, ao adquirir um exemplar desta obra, tem em mãos não só uma lista de preços que pode ser consultada quando se compra ou se vende um exemplar. O Livro Bentes de Moedas do Brasil, sendo didático e completo, proporciona o deleite de uma leitura agradável e tremendamente instrutiva, configurando-se para muitos como "livro de cabeceira".


Apresentação - O Catálogo é formalmente apresentado ao numismata, de forma simples, clara, instrutiva e abrangente, fazendo com que o leitor compreenda que adquiriu uma obra didática, que irá lhe proporcionar não somente momentos de deleite durante a sua leitura, mas que também irá enriquecer o seu conhecimento, aumentando sua bagagem cultural a respeito do assunto.

Logo nas páginas iniciais do catálogo, o leitor irá se deparar com uma pequena introdução à ciência numismática. Nesse capítulo discorremos sobre a numismática no Brasil, como tiveram início e o seu desenvolvimento no país, as primeiras moedas dos brasileiros. a importante Provisão de 3 de Março de 1568, de D. Sebastião I, que oficializou a primeira circulação de moedas na terra recém-descoberta. Em seguida, considerações sobre as patacas, a instalação da Primeira Casa da Moeda, na Bahia, seu fechamento e transferência para o Rio de Janeiro. Em seguida é a vez do capítulo dedicado a "como colecionar moedas".


A página 40, contém instruções precisas de como consultar o catálogo, considerações sobre os diversos estados de conservação, incluindo a equivalência com a escala Sheldon, adotada pelas certificadoras de moedas, a exemplo da NGC e da PCGS, só para citar duas delas.

A partir dessa mesma página, o Livro Bentes de Moedas do Brasil trata de outros assuntos relevantes, a saber: estados de conservação, quantidade de moedas cunhadas, a raridade dos exemplares, valores, diâmetro e peso, classes de cunho, até chegar à página 56 que trata, a partir de então, da nomenclatura das moedas, como se pode verificar nas imagens de algumas páginas do catálogo, a seguir:



INCLUSÃO DE NOVAS MOEDAS e/ou VARIANTES

Nas 3ª e 4ª edições, com o propósito de não alterar a numeração original do Catálogo, para as moedas “novas” inseridas, continuamos a adotar a numeração por tipo, acrescida de um par de letras minúsculas do nosso alfabeto colocadas ao final das outras variantes, independentemente de data. Contudo, por uma questão de estética e de funcionalidade, a partir da 5ª edição, resolvemos optar pela simples alteração na numeração, retornando ao método anterior de catalogação.

Nossos leitores sabem o quanto somos cautelosos com relação à inclusão de “novas descobertas” em nosso Catálogo (variantes, anomalias e/ou moedas até então desconhecidas, etc). Fazemos isso por dedicação ao nosso trabalho, por amor à numismática, e por respeito ao colecionador. É nosso compromisso, antes de tudo, instruir e informar corretamente os nossos leitores. Justamente por essa dedicação e atenção, o Livro Bentes de Moedas do Brasil alcançou fama internacional, servindo de guia fiel aos numismatas e àqueles que se ocupam de acervos de autarquias, de museus e de prestigiosas instituições como o Banco Central do Brasil que utiliza o nosso periódico para catalogar as moedas do seu acervo, a Casa da Moeda, o Museu Histórico Nacional, casas de leilões, bibliotecas e universidades, no Brasil, na Europa e nos EUA. Acreditamos que a partir dessa edição (oitava), a numeração seaj definitiva, não nos induzindo a alterá-la nas ulteriores publicações.

Com base nesse compromisso assumido pela MBA Casa Editrice e Bentes Edizioni Numismatiche, empresas do Grupo Bentes, inserimos em nossa publicação apenas o que é digno de nota. Porventura, caso fique inequivocamente comprovado, chegamos mesmo a excluir do nosso Catálogo, o que, sem sombra de dúvida, foi constatado como “falso”.


Conscientes de que a nossa decisão possa não agradar a todos, principalmente aos que preencheram seus envelopes com base na numeração das edições anteriores do nosso catálogo, entendemos que a inclusão de letras ou outros métodos de fracionamento, terminariam por confundir ainda mais o colecionador, além de ferir a estética das nossas publicações periódicas. Sendo assim, caso surjam novas variantes (incomum, mas não raro) e/ou moedas jamais vistas (fato raro), estas serão inseridas no catálogo, alterando a numeração da edição anterior. Nesta oitava edição, após atenta observação e pesquisa por nós realizadas, e auxiliados por pessoas que assim como nós nutrem justificada paixão pelo hobby de reis e príncipes, foram incluídos no Livro Bentes de Moedas do Brasil, os ítens a seguir:



Pesos e medidas - Aqui, o Livro Bentes de Moedas do Brasil apresenta o sistema manuelino, a explicação de como eram calculados o peso e o diâmetro das moedas a fim de determinar, com exatidão, a relação entre valor intrínseco e extrínseco. Nesse capítulo, uma tabela que relaciona o sistema manuelino ao decimal, foi cuidadosamente elaborada para que o leitor tenha acesso às informações precisas sobre as dimensões das moedas, principalmente às relativas ao peso e ao diâmetro, nos diversos metais em que foram cunhadas.


O CATÁLOGO PROPRIAMENTE DITO - VALORES

Aqui tem início o elenco de todas as moedas batidas e/ou cunhadas, no Brasil e/ou para o Brasil, desde o período pré-colonial. O Livro Bentes de Moedas do Brasil, é o único a incluir as primeiras moedas autorizadas a circular no território recém-descoberto, o que se constata através da Provisão de 3 de Março de 1568, de D. Sebastião I e as cunhagens da Província do Grão Pará.

Moedas da Província do Grão-Pará, além de detalhes e ampliações para o entendimento de pormenores dos diversos exemplares, fatores que distinguem as variantes, e textos explicativos, muitas imagens, todas em cores, acompanhadas de explicações para que o colecionador saiba tudo o que é necessário para o bom entendimento do assunto.

Obs: Evidentemente, os preços dos exempalres constam do catálogo.


O Livro Bentes de Moedas do Brasil, é o único que contém todas as barras de ouro conhecidas, devidamente catalogadas por soberano, acompanhadas de descrição, peso, raridade e, em alguns casos, com certificado, proveniência e atual proprietário.

MOEDAS RARAS E ÚNICAS

Nenhuma outra publicação da numismática brasileira conta com tantas ilustrações e imagens de moedas raras, muitas delas únicas. O numismata que consulta outras publicações, está habituado a termos como única ou raríssima, mas somente no Livro Bentes de Moedas do Brasil, o colecionador satisfaz a sua curiosidade, vendo a imagem da moeda em questão.


O BRINDE QUE ACOMPANHA A OITAVA EDIÇÃO

Um quadro sinóptico de medidas 60 x 42 cm, em papel couchê de 120 gramas, para emoldurar e decorar seu local de trabalho ou o local onde guarda as suas moedas.

A seguir, a oitava edição já sendo impressa:


Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page